A organização sem fins lucrativos CIES Global alcançou em 2018 a marca de 2 milhões de pessoas atendidas em unidades móveis e modulares de saúde. A sustentabilidade e escalabilidade do CIES são resultados da união entre dois sistemas de gestão distintos adaptados: o Lean, japonês, que visa a otimização de recursos durante a produção; e o DRG, estadunidense, que trata da priorização de atendimento de pacientes de acordo com a gravidade de casos agrupados.

No sistema oriental, as pessoas envolvidas no processo são induzidas a evitar qualquer desperdício de recursos durante o processo e fluxo de produção. Uma de suas aplicações no CIES é a entrega dos resultados dos exames logo após a realização do procedimento. Assim, o paciente não terá que usar mais do seu tempo e o CIES não precisará ter despesas futuras para um segundo atendimento.

Já o sistema ocidental, o DRG (Diagnosis-Related Groups), contribui com o estabelecimento de diretrizes para classificação de pacientes em grupos de prioridade e o tipo de recursos que eles mais utilizam. Os dados influenciam no controle e gestão de materiais necessários para atender aos grupos e possibilita a melhora da qualidade dos serviços para o paciente.

Juntos, criam uma metodologia que torna o modelo de trabalho da organização sustentável e eficiente para o Sistema Único de Saúde (SUS). Enquanto o Lean orienta o fluxo e agiliza todo o processo de atendimento, o DRG separa os grupos de pacientes para serem atendidos nas unidades pertinentes de acordo com o grau de risco de saúde de cada grupo.

 

Modelo de trabalho

O CIES Global atua em conjunto com o poder público para agilizar o atendimento no Sistema Único de Saúde, por meio de parcerias principalmente com as prefeituras. A missão da organização consiste em oferecer saúde integral ao paciente com agilidade e tecnologia no conceito de tratar, educar e prevenir. “Hoje, conseguimos resolver cerca de 75% da demanda que recebemos. Os demais 25% são de alta complexidade que encaminhamos para os hospitais de referência. Mas em breve poderemos atender muitos desses casos também”, explicou o fundador da organização, o médico gastroenterologista Roberto Kikawa.

Em dez anos de atividade, o CIES já atuou em mais de 30 municípios brasileiros e iniciou expansão internacional com uma Carreta da Saúde e uma clínica na cidade de Marietta, estado da Georgia, nos Estados Unidos.

Entre os meses de janeiro e maio deste ano, 347.822 pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) receberam atendimento nas unidades do CIES Global, na cidade de São Paulo. Nesse mesmo período, foram atendidos mais 15.072 cidadãos dos municípios de Rio Claro, Sorocaba e Santa Bárbara d’Oeste, interior do Estado.

 

Impacto Social

Para a operadora de caixa Sandra Portugal Santos, ser atendida em uma estrutura móvel de saúde do CIES Global não causa qualquer estranheza. “Já fiz exame de ultrassonografia em contêineres na Zona Leste com menos de um mês após o encaminhamento do médico da Unidade Básica de Saúde do meu bairro. E agora fiz um exame de Tomografia nessa carreta sete meses depois do pedido. Eu achava que nem seria atendida esse ano porque me falaram que demora muito”, afirmou a munícipe que estava no maior e mais movimentado local de atendimento do CIES, a Arena Sul, que fica no bairro Santo Amaro, em São Paulo.

Outra paciente que também se surpreendeu com a agilidade do atendimento foi a agente de aeroporto Michele Macedo. “Quando eu cheguei e vi todas aquelas pessoas, achei que não sairia daqui hoje. Mas em menos de duas horas eu abri ficha, passei pela triagem, realizei o exame e recebi o resultado. Isso sem contar que o agendamento foi realizado em menos de um mês após ter passado pelo médico da família”. Michele também aprova a qualidade do atendimento de toda a equipe. “Todos foram muito ágeis e atenciosos”, avaliou.